Mês: novembro 2014

Moscas volantes…como ajudar?

E o assunto continua mais do que atual…infelizmente! Àqueles a quem interessar a matéria, fazer parte de um grupo de discussão pode fazer diferença,sim!Disponível no facebook (www.facebook.com/MoscasVolantes).

Elizabeth Navarrete

Num comentário a respeito do post  “ Moscas volantes…como lidar com elas?”, uma internauta me informou sobre a existência de um abaixo-assinado cuja finalidade é chamar atenção da comunidade médica para um sintoma muito comum (e não raras vezes muito inconveniente e causador de muito estresse para o indivíduo portador).

Ela disse:

“Estamos nos movimentando, para que as autoridades médicas encontrem uma solução para o nosso problema. Caso a interesse entre no site e assine o baixo assinado emhttp://www.moscavolante.com.br

Que o sintoma é mais comum do que imaginava eu, oftalmologista há pouco mais de 30 anos, concordo: os textos a respeito de “moscas volantes” e “flashes” são de longe, os mais acessados, desde a primeira postagem do blog!

Que muitos pacientes se sentem desamparados e desassistidos pelos seus médicos quando eles os informam de que “moscas volantes são muito comuns e você acaba se acostumando com elas…é…

Ver o post original 761 mais palavras

Anúncios

Por que os óculos de sol precisam ter filtro UV?

O sol e os olhos –por que usar filtro UV

Por que os óculos de sol precisam ter filtro UV?

O senso comum até bem pouco tempo mostrava os óculos de sol como complemento estético e/ou alivio para o incomodo que a luz visível costuma causar a boa parte de nós em maior ou menor intensidade (fotofobia). Não se via as lentes solares como uma necessidade. Não se falava em lentes com filtro UV nem fotossensíveis.

Mas dados cada vez mais alarmantes têm mostrado que a intensidade da radiação UV que nos atinge hoje, independente da época do ano, é extremamente nociva aos nossos olhos. O significativo aumento na necessidade de intervir cada vez mais cedo para extrair o cristalino muito opaco (catarata), além do aumento da prevalência de degeneração macular relacionada à idade (DMRI) podem ser atribuídos a inadequação da proteção ocular em relação à radiação ultravioleta.

As alterações ambientais têm tornado cada vez mais necessário que adotemos algumas rotinas de proteção para garantir qualidade de vida no envelhecimento.

O olho da criança é bem mais vulnerável aos raios UV por que a lente (cristalino) ainda é muito transparente e não tem a capacidade de absorver UVA e UVB tanto quanto na idade adulta. Na mesma situação está o indivíduo que já operou catarata e não tem uma lente intraocular que absorva os raios UV. Estudos avaliaram que em média aos 18 anos, nós já teremos sido expostos à 80% da radiação calculada para o tempo de duração da vida do indivíduo!

Vamos comparar ossos e olhos. A osteoporose não surge do nada depois dos 50 anos (mulher na pós-menopausa ou homem). A massa óssea é formada ao longo dos primeiros anos de vida até por volta dos 25 anos, em média. Depois se mantém ou não, de acordo com estilo de vida adequado (alimentação balanceada e exercício físico regular) e ausência de intercorrências que levam à desmineralização dos ossos, seja por conta de doenças adquiridas ao longo da vida seja por medicamentos que interferem com o metabolismo ósseo ou outra variável.

O sol é necessário, sim. Precisamos da vitamina D produzida pela interferência dele, sol. Mas a proteção dos olhos é imperativa! Ainda temos muito que aprender em relação à busca do equilíbrio necessário para melhor vivermos. O uso indiscriminado e excessivo do filtro solar pode ter reduzido o índice de câncer de pele mas em contrapartida pode ter sido um dos fatores que contribuíram para uma insuficiência generalizada de vitamina D na população. Assim como o sedentarismo aumentou a incidência da osteoporose, da obesidade, do diabetes e tantas outras doenças que podem ser prevenidas.

Então, assim como o cuidado em relação aos ossos, também temos que cuidar dos olhos desde cedo evitando a exposição excessiva dos olhos ao ultravioleta.

O cristalino ao longo do tempo vai mudando sua cor e aumentando sua capacidade de absorver os raios UV. Isso mostra o quanto nosso organismo é inteligente e tenta controlar o ambiente interno, fazendo os ajustes necessários ao reequilíbrio para nos manter hígidos por mais tempo! Mas se o ajudamos tomando medidas simples como os óculos de filtro UV liberamos o organismo para ações mais complexas que somente ele pode dar conta, não é mesmo? Poupar aqui para gastar ali quando for necessário.

Os raios UVA e UVB são invisíveis aos olhos e portanto não causam incômodo perceptível a curto prazo, a não ser em exposições intensas e por tempo prolongado, quando acontecem as queimaduras oculares Crianças expostas ao reflexo do sol na areia branca da praia ou na neve são mais vulneráveis.

Os raios UVA repercutem negativamente sobre a retina e os UVB são mais nocivos à córnea e cristalino (segmento anterior do olho). Reações oxidativas devidas à foto toxicidade dos raios UV podem desnaturar as proteínas do cristalino acelerando a catarata além de formar radicais livres que antecipam a degeneração da parte mais sensível da retina, a mácula, responsável pela visão de detalhes.

A luz (espectro visível) incomoda o olho. As lentes escuras sem filtro UV podem ser confortáveis o suficiente mas não trarão a proteção necessária. Todos nós nos beneficiamos do uso de óculos solares, por conforto, mas indiscutivelmente é necessário que eles tenham proteção UV total para efetivamente significar prevenção das doenças degenerativas oculares induzidas ou aceleradas pela exposição a esses raios. O hábito do uso de lentes com filtro UV significa mais qualidade de vida no envelhecimento.

Crianças, adolescentes e adultos, independentemente da idade, todos devemos fazer uso de proteção UV nos óculos, sejam eles de grau ou apenas solares todos devem ter filtro UV. Tenha certeza de estar adquirindo um produto de qualidade. Peça a certificação ou melhor ainda, solicite que seja feito teste no fotômetro (ou similar), que indica o grau de proteção. A lente ideal deve ser capaz de absorver 400µm (nanômetros), espectro dos raios UVA. Os raios UVB estarão bloqueados também, uma vez que seu espectro vai de 290 a 315 enquanto os raios UVA vão de 315 a 400 nanômetros.

Apesar disso, sempre cabem dúvidas!

Amanhã dirão que o benefício obtido com o uso constante de lentes solares alterou outros parâmetros da qualidade visual, como a sensibilidade ao contraste, por exemplo. Nesse caso, lentes claras com filtro UV até 390 (as lentes de receituário, disponíveis em resina orgânica de alto índice) para adultos na faixa dos 40 aos 50 seria uma boa opção, caso não exista diagnostico de doença macular ou sinais precursores dela. As lentes verdes (que aumentam o contraste) estariam bem indicadas após os 60 anos (época em que a sensibilidade ao contraste começa a diminuir e com ela surge o incomodo de dirigir à noite. Mas na criança e no adolescente, lentes com filtro UV total (400µm) em qualquer tonalidade!

Se quiser aprender como se expor menos à radiação evitando os piores horários a cada dia e época do ano, pesquise índice UV da sua cidade no site www.weather.com. Lembre-se que mesmo em dias nublados a intensidade da radiação UV é nociva aos olhos. Portanto o uso de óculos com proteção não está indicado apenas no verão ou para ir à praia.

Informe-se mais nos links abaixo:

http://www.schaefer.com.br/index.php?system=news&news_id=32&action=read

https://www.casu.com.br/Site/noticias_ler.aspx?CodTipNot=2&id=99

https://elizabethnavarrete.com/2010/02/25/protecao-uv-e-oculos-solares/

http://www.portaldaretina.com.br/home/artigos.asp?cod=31

http://www.master.iag.usp.br/indiceuv/olho.html