Mês: setembro 2010

A visão na senilidade…e a catarata

Mais uma vez, apesar de escrito há mais de dez anos,esse texto (também) é bastante atual…


EU JÁ NÃO ENXERGO COMO ENXERGAVA ANTES …mas todos dizem que tenho uma visão boa…

Costumamos quantificar a visão numericamente. A isso denominamos “acuidade visual”. Em outras palavras, acuidade visual é a capacidade que o olho tem de identificar objetos ou caracteres em condições ideais de iluminação e contraste.

O conhecimento de outros elementos que fazem parte da grande cadeia do sistema visual se torna importante para compreendermos porque diminui a qualidade da visão com o envelhecimento.

Um desses elementos é a sensibilidade ao contraste. Reconhecer objetos ou caracteres não é apenas uma questão de acuidade visual. Nossa retina e cérebro trabalham o tempo todo com o contraste. A acuidade visual, como nós a medimos na prática clínica, é uma medida da sensibilidade de contraste com máximo contraste.

Com o tempo existe uma perda variável, mas sempre presente, de contraste de alta e média freqüência, que pode ser explicada pela diminuição da luz que entra no olho (redução do tamanho da pupila com a idade) e/ou perda da elasticidade e modificação da coloração e densidade do cristalino.

A adaptação à luz também se altera, o que dificulta o dirigir à noite: o processo de recuperação do ofuscamento pelos faróis de carros em direção contrária (fotostress) é mais lento com o envelhecimento. Questiona-se a perda neuronal como fator coadjuvante, levando a um aumento do tempo de processamento das informações que seguem pela cadeia visual, alterando assim a qualidade da percepção visual.

Com o tempo, a coloração do cristalino muda (gradualmente fica mais amarelada) e em função disso o espectro azul da luz é absorvido, enquanto o amarelo e o vermelho passam livremente até a retina. Por conta disso, a percepção das cores pode mudar. O azul fica mais escuro, menos vívido e as cores “quentes” sobressaem. Ler ou enxergar etiquetas, caracteres ou objetos em tons pastéis e com letras de baixo contraste fica bem mais difícil.

Da mesma forma, a habilidade de discriminar objetos em movimento ou em seqüência rápida diminui com a idade e, novamente, dirigir requer discriminação visual de imagens e objetos em movimento, mais que estáticos. Por isso sentimos mais dificuldade em dirigir à noite quanto mais envelhecemos, sem que isso reflita apenas um deficit na acuidade visual numérica (estática).

Em resumo, a maioria de nós, quando envelhece, mantém boa visão em condições de boa iluminação e alto contraste. Porém, a visão aferida dessa forma não reflete o que nós vemos no nosso dia-a-dia, a qualidade da visão nas diferentes necessidades diárias como dirigir ao entardecer ou à noite, entrar e sair de um túnel, ver preços em etiquetas em supermercados “com luzes fluorescentes em excesso”, distinguir imagens, objetos ou pessoas em movimento rápido, etc….não tem o mesmo significado da visão 20/20 aferida segundo a tabela de Snellen,usada nos consultorios oftalmologicos.

Dois autores ingleses, Williams e Caird, autores de um livro bastante interessante sobre o olho e o envelhecimento (no qual se baseiam os conceitos contidos neste sumário) disseram que: “o mundo real raramente se apresenta para nós como letras pretas sobre tela branca numa sala escura“.

Numa alusão à forma como aferimos a visão de nossos pacientes, eles nos lembram da importância de uma avaliação global desse paciente, não esquecendo de que, na maioria das vezes, a orientação e o esclarecimento do significado do envelhecimento do sistema visual, suas implicações e formas de melhorar a qualidade da visão são suficientes para atender às queixas e tranqüilizar o paciente quanto as suas dificuldades.

Precisamos de uma boa iluminação, preferencialmente sempre luz incandescente (“quente”) à luz fluorescente (“fria”). Testar vários tipos de lâmpadas e bulbos até achar a combinação ideal que proporcione alto contraste, ler, costurar, pintar ou fazer qualquer trabalho que exija mais da visão de detalhes, sempre com iluminação focal e não apenas com luz difusa.

Uma observação interessante é aquela em que o paciente volta à consulta dizendo: “deve haver alguma coisa errada com meus óculos novos! No dia do exame, quando testamos as lentes, eu vi tão melhor com as lentes que estavam no seu aparelho!!!”. A diferença é que no consultório, o teste da visão de perto é realizado com um foco de luz direcionado para a tabela de leitura . E que luz! E isso faz toda a diferença…


Nós somos preparados durante toda a vida para o envelhecimento; as adaptações fazem parte desse processo. Saber se adaptar e utilizar os recursos à nossa disposição para aumentar a qualidade de vida nesse período é fundamental. Mas, talvez, mais importante que isso é preparar-se para envelhecer. Assim como a prevenção é sempre mais eficaz que o tratamento da doença, o modo de viver (mental e fisicamente sadio) é uma garantia de um envelhecimento saudável e prazeroso.


Nota: A respeito da melhor iluminação a ser usada no dia a dia,o conceito tem mudado.Quem tiver interesse a esse respeito pode consultar os links abaixo sobre ergoftalmologia que falam sobre como potencializar a visão e reduzir o desconforto visual com a utilização de normas especificas estabelecidas para otimizar as tarefas do dia a dia.

“Manual de Ergoftalmologia” http://www.schaefer.com.br/pub/publicacoes/manual_ergoftalmologia.pdf

http://www.scribd.com/doc/18502288/10-Dr-Herbert-Stern-Ergo-Oftalmologia-como-Mecanismo

______________________________________________________________________________________

A questão a ser discutida exaustivamente é:

A relação custo/beneficio em relação à cirurgia de catarata (facectomia) , momento ideal de fazer a indicação formal do procedimento cirurgico e a observação cuidadosa e individual (cada caso é um caso)!

Apesar do que foi discutido acima…em relação à perda da qualidade visual por conta da redução da sensibilidade ao contraste…devemos ter em mente que quanto mais longevos ficamos,mais tempo conviveremos com o desfecho de curto,medio e longo prazo das intervenções médicas.

Por conta disso devemos ser cautelosos nas indicações dessas intervenções e discutir exaustivamente com o paciente ponderando a respeito das opções em cada caso. Ouvir mais (e com maior interesse) suas queixas e propor soluções pontuais para elas.

Intervir cirurgicamente sempre que for necessario…mas não deixar de oferecer ao individuo a oportunidade de conhecer o cenário completo em que está inserida esta decisão (o que esperar a curto,medio e longo prazo e como tentar minimizar as possiveis intercorrencias).


O individuo esclarecido é um aliado do medico na prevenção dessas intercorrencias e na tentativa de restabelecimento da sua qualidade de visão e de vida! E não o contrario,como pensam alguns…medicos e pacientes.

Anúncios

A visão,os olhos …e os computadores

Apesar de mais de ter sido escrito há mais de 10 anos,esse texto nunca esteve tão atual…


MICROCOMPUTADOR E OLHO – UMA RELAÇÃO SADIA?

http://www.velhosamigos.com.br/Colaboradores/Diversos/beth1.html

O cansaço visual pode estar associado ao uso prolongado do computador. Sintomas como vermelhidão, irritação, coceira, olhos ressecados ou lacrimejamento. Ou ainda sensibilidade exagerada à luz, sensação de peso nas pálpebras, fadiga ocular e dificuldades em focalizar o monitor (“perda temporária do zoom”). Todas essas queixas podem estar relacionadas ao uso inadequado do computador.

Algumas alterações do sistema visual de pouca ou nenhuma importância em outras situações do dia-a-dia podem causar esses sintomas quando se executa tarefas visuais que “exigem mais”, como ter que focalizar imagens em monitores (que são compostos de “pixels”, minúsculos pontos que o olho não consegue ver com nitidez, tendo para isso que “acomodar” – focar e refocar – utilizando a musculatura ocular).

Outra conseqüência freqüente é a “dor de cabeça”, que nós médicos chamamos de cefaléia.

Quer diminuir esse desconforto todo quando precisar usar o computador por muitas horas seguidas?

  • A sala deve ser bem iluminada mas, evite o ofuscamento (iluminação focal sobre os olhos não, direcionada ao objeto da leitura sim).
  • Se você lê documentos enquanto digita, deixe-os próximos à tela, em pranchetas ou suportes próprios, ao lado do monitor (diminua o trabalho dos seus olhos e cabeça).
  • Mantenha o monitor a uns 50 a 60cm distante de seus olhos e ligeiramente abaixo deles, no máximo na mesma altura (você conhece alguém que lê em frente rotineiramente e com facilidade? Com certeza não). Durante a leitura prolongada nós utilizamos os músculos que deslocam os olhos para baixo. Essa musculatura já está acostumada! Sempre lemos em cima da mesa ou “no colo”. Os músculos responsáveis pelo olhar mantido em frente passaram a trabalhar mais quando surgiu o computador. Tudo mudou… e as queixas aumentaram!
  • Diminua os reflexos da tela (se preciso use um filtro anti-reflexo).
  • Descanse de vez em quando: 15 minutos a cada 2 horas de trabalho ou pelo menos 5 minutos a cada 50 ou 60 minutos  (ou pelo menos descanse seus olhos). Fechando os olhos você não está relaxando e sim mantendo os olhos na posição de trabalho, contraídos.
    É necessário olhar para o horizonte e fixar num objeto/ponto que tenha que ser focado,que exija um relaxamento dos músculos para ser “enxergado com nitidez” (em outras palavras,tentando fixar um ponto para “dar um descanso”, relaxar os olhos!)
  • Mas tudo isso não será o bastante se você não estiver usando a correção ótica adequada à sua situação de trabalho, seja você míope, hipermétrope, astigmata ou présbita (“vista cansada da idade”).

Quanto a lentes especiais, seu uso frente a sistemas de raios catódicos como a televisão e o monitor de vídeo colorido teria por objetivo diminuir o trabalho da pupila (que regula a entrada de luz) e com isso uma das causas de cansaço visual.

Leia mais sobre ergoftalmologia nos endereços abaixo:

http://www.scribd.com/doc/18502288/10-Dr-Herbert-Stern-Ergo-Oftalmologia-como-Mecanismo

http://www.difundir.com.br/mobile/c_mostra_release_mobile.php?emp=1960&num_release=16306&ori=T

“Manual de Ergoftalmologia”

http://www.schaefer.com.br/pub/publicacoes/manual_ergoftalmologia.pdf


___________________________________________________________

Algumas outras considerações:

Costumo explicar dessa forma aos pacientes o porquê do incomodo do uso do computador:

Você já experimentou manter os olhos na direção do teto por alguns minutos? Serão bem poucos minutos,com certeza…lembra quando a gente esta trocando uma lâmpada de uma luminária no alto de uma escada e tem alguma dificuldade em retira-la do bocal? Os braços continuam estendidos para cima,mas o olhar é desviado para o chão,na tentativa de “descansar o olhar”…porque dói manter os olhos fixando o teto,não é mesmo?

Assim,imagine que os olhos foram “desenhados” para se adaptar funcionalmente às exigências do contexto de vida de cada um…mas quando elas mudam…os olhos levam um tempo para se adaptarem à nova situação…enquanto isso,alguns sintomas nos lembram que mudamos nossa forma de nos relacionarmos com o mundo externo (computador p.ex.).

Na mirada principal (como chamamos em oftalmologia o “olhar para frente”)…antes estavamos acostumados apenas a fixar pontos de menor exigência visual …porque envolviam enxergar a distancias maiores (dirigir,ver TV,etc). Com o advento do computador passamos mais tempo utilizando os músculos responsáveis pelo alinhamento dos olhos e pelo foco (leia-se nitidez da imagem) a uma distancia diferente da habitual.

Em outras palavras… vamos,para efeito didático,separar a direção do olhar em três posições:

O olhar para baixo,ao qual estamos acostumados desde sempre, uma vez que desde pequenos usamos os olhos para baixo ao lermos, escrevermos,comermos,e antes disso, para desenharmos, brincarmos de dominó ou ainda jogar xadrez.Então os músculos responsáveis pela visão ao olharmos para baixo,sempre foram muito usados e “são malhados”,”fortes”,toleram muito bem horas de esforço…como na leitura prolongada…

O olhar para cima (como ao trocar uma lâmpada no teto),é pouco exigido em nosso dia a dia e portanto os músculos envolvidos nessa tarefa são pouco trabalhados e bastante débeis,não tolerando por muito tempo esforço maior.

O olhar em frente, com a modificação de nossos hábitos,tem sido mais exigido a uma distancia antes não habitual (como ficar varias horas em frente à uma tela de computador).Esses músculos então tiveram que ser mais usados e dependendo do momento de vida de cada individuo,cada um de nós leva um tempo maior ou menor para se adaptar às novas exigências.

Algumas vezes há necessidade de ajuda para melhor administrarmos essa tarefa. É ai que passamos a necessitar de um profissional do qual muitas vezes nunca ouvimos (injustamente) falar: o ortoptista!

Ele é uma espécie de fisioterapeuta de olhos! Ele ajuda a reequilibrar a musculatura e a visão binocular (responsável pela qualidade da tarefa discriminativa visual).

Voce sabia que para vermos com a qualidade que estamos (ou deveríamos estar) habituados muitos musculos e interações neuronais são postos em funcionamento e dessa sincronia depende o bem estar ao executarmos essas tarefas?

Voce sabia que ao utilizarmos cada vez mais e mais cedo,a tecnologia de que dispomos hoje (computadores,celulares,palmtops,netboooks,etc) estamos cada vez mais antecipando sintomas decorrentes dessa falta de competência sensorio-motora.Hoje muitas crianças são levadas ao oftalmologistas com queixa de dor de cabeça,lacrimejamento,ardência nos olhos,etc.

Se ao sermos introduzidos a essa tecnologia toda fossemos previamente preparados e instruídos em relação à “utilização do aparelho visual”,teríamos o beneficio de melhor desempenho com menor desconforto e estaríamos assim absorvendo essa tecnologia,de forma mais saudável.

Esse  “treinamento previo” também é muito oportuno quando as exigências mudam…como por exemplo em épocas de muito trabalho visual discriminativo no período do vestibular, prepação para concursos,teses de mestrado/doutorado,inclusive mudanças no perfil de trabalho (do trabalho apenas com papel para tarefas cada vez mais longas utilizando monitores,p.ex.).

Leia mais sobre ortóptica e como ela pode nos ajudar no dia a dia nos links abaixo:

http://a-vision-4-all.blogspot.com/2009/11/avaliacao-ortoptica.html

http://www.cbort.com.br/artigos/artigos004.html

http://ortoptica-baixavisao.blogspot.com/2008/09/os-olhos-rgos-responsveis-pela-viso.html

http://www.mundovestibular.com.br/articles/6219/1/Ortoptista—Uma-otima-carreira/Paacutegina1.html

DR após cirurgia de catarata…

É uma possibilidade…não tão frequente…mas que deve ser mencionada quando se explica ao paciente o procedimento (cirurgia de catarata), intercorrencias e soluções possiveis para elas.Mais que isso…deve ser ativamente buscada a prevenção (do descolamento de retina pós-cirurgico) atraves de um pré-operatorio cuidadoso em relação à retina.

Conforme disse em outro post aqui neste blog (“Como lidamos com o risco calculado da terapêutica médica?”) ,

”…temos que realizar procedimentos que são necessários, mas ao mesmo tempo há  sempre que se ter em mente que devemos esperar reações às nossas ações e nos prepararmos para melhor agir nesses momentos e bem equilibrar essa equação (ação-reação).”

Em termos de descolamento de retina, o tempo que levamos para restaurar a anatomia retiniana cirurgicamente é crucial na recuperação funcional do olho.Quanto mais tempo a retina permanece separada da sua base,do seu leito natural,mais difícil é a recuperação da visão apos o procedimento vitreo-retiniano.

Se o paciente ainda tem alguma duvida a respeito dos procedimentos e suas conseqüências deve  comentar com o medico de forma direta e aberta.Mas nunca deixar  que se perca a “janela terapêutica”…o período de tempo em que o sucesso da intervenção poderia ser alcançado!

Lembrando sempre que também não é incomum, ou melhor, está entre os possíveis secundarismos de uma cirurgia de catarata um eventual DR pós-operatório.Mesmo com a precaução pré-operatoria de um mapeamento retiniano bem realizado para identificar possível degeneração periférica de risco para DR,a cirurgia de catarata é um procedimento que viabiliza este tipo de desfecho, dependendo das condições retinianas previas e de um intra-operatorio mais difícil,por qualquer eventualidade.

Toda cirurgia é um risco calculado. Mas,no caso da catarata, se as condições visuais do paciente apontam no sentido da necessidade do procedimento cirúrgico (facectomia com implante de LIO), esse risco é justificado e está implícito.Deve ser comentado com o paciente e visto como inerente ao procedimento.

Depois do evento (complicação pós-operatoria) o que se tem a fazer é restaurar a normalidade anatômica retiniana o mais brevemente possível  através de procedimento que poderá ser decidido “a priori” mas modificado no intra-operatorio,dependendo das condições/dificuldades técnicas encontradas durante o procedimento.

Mas, o importante  é que, uma vez tendo sido feito o diagnostico de descolamento de retina (DR total) num pós-operatório de catarata,a intervenção cirúrgica é a única possibilidade de recuperação funcional desse olho! E quanto mais rapidamente ocorrer esta intervenção maiores são as chances de uma acuidade visual final satisfatória.

Quanto mais longevos nos percebemos, mais valor damos à qualidade de vida na senilidade.E a manutenção dos sentidos  (principalmente da visão) é ,sem duvida,imprescindível à independência e ao conforto do individuo nesta fase da vida.