medicina preventiva

Você sabe o que é ambliopia e a importância do diagnóstico precoce?

O objetivo aqui é lembrar a importância do diagnóstico precoce da baixa visual na criança. O sistema visual é dotado de uma plasticidade excepcional, mas a intervenção profissional após os oito anos de idade não resulta em benefício palpável à visão do individuo. Estou me referindo a um  distúrbio visual conhecido como “ambliopia” em que a visão de um dos olhos é menor que a do outro, mesmo tendo sido corrigida a sua refração (“grau do olho”).

A causa pode ser uma diferença importante de grau entre os dois olhos, um estrabismo (desvio dos olhos) inaparente ou tão pequeno a ponto de não ser observado pela família ou professores da criança. Ou ainda uma doença ocular (ainda não diagnosticada)  num dos olhos apenas (tipo catarata congenita, retinocoroidite por toxoplasmose).Em todas essas situações o olho em questão não recebe informação da área responsável pela visão no córtex cerebral.Ou pelo menos não a processa da mesma forma que o outro olho podendo gerar uma disparidade de imagens intolerável a ponto do cérebro “anular” uma das imagens e aquele olho em questão não se desenvolver do ponto de vista funcional. Ele tem a estrutura aparentemente normal, porém quando avaliamos a função visual  verificamos que apenas um dos olhos tem visão normal,cem por cento ou 20/20,citando a escala americana (tabela de Snellen) que é a referência universal em termos de acuidade visual.

E (aí reside a importância da informação),se não instituímos terapêutica apropriada,de preferência até os seis anos, na idade adulta esse individuo jamais terá a possibilidade de reverter a disfunção e atingir qualidade visual normal no olho dito “amblíope”. As campanhas nas escolas, através do programa de treinamento de professores e funcionários capacitados para este tipo de avaliação é importante nas regiões em que o acesso dessas crianças ao oftalmologista é difícil.

Nas áreas metropolitanas o encaminhamento da criança para avaliação visual deve ser feito de forma sistemática pelo pediatra ou pela escola, pelo menos aos seis anos de idade. Idealmente seria referido aos quatro anos. E aqueles com baixo peso ao nascer ou originados de gravidez de risco ou ainda aquelas crianças que necessitaram do uso de incubadora devem ser avaliados pelo oftalmopediatra antes de deixarem a maternidade. Se esse protocolo não for seguido, a criança deverá ser avaliada por oftalmologista nos primeiros meses de vida (teste do reflexo vermelho, também conhecido como “teste do olhinho”) e se não existir nenhuma outra intercorrência devem ser reavaliados aos dois e aos quatro anos de idade.

Existem várias formas de avaliarmos crianças pré-verbais, que anda não podem informar a visão. Dependendo da faixa etária, além do “reflexo vermelho”, a simples oclusão de um dos olhos ,sem que se encoste a mão na criança (uma vez que isso pode gerar desconforto e a resposta mal interpretada) pode sinalizar existência de anormalidade visual. Quando colocamos a mão na frente de um dos olhos da criança e ela chora ou tenta se esquivar, podemos estar obstruindo a visão do único olho pelo qual ela vê o mundo e por isso ela chora ou se altera. Um teste fácil de ser realizado e que se repetido várias vezes e mostrar a mesma resposta pode sinalizar déficit visual importante. Simples assim!

Links para mais informações a respeito:

http://www.sbop.com.br/sbop/ste/interna.asp?campo=60&secao_id=32

http://www.isodf.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=104%3Aambliopia&catid=19%3Aconteudo-doencas-oculares&lang=pt

 

 

Defeito de campo visual,AVE e arritmia cardíaca

Este é um dos casos que serão relatados a respeito de alteração campimétrica como sintoma inicial de acidente vascular encefálico (ou AVE):

Um homem de 65 anos,que convivia há vinte anos com uma arritmia cardíaca fazia uso de três drogas para manter seu quadro estável. Sentia-se bem, assintomático do ponto de vista oftalmológico e fazia exames de rotina a cada dois anos, até o dia em que notou,ao acordar,a perda de parte do seu campo visual.

Confirmado o defeito de campo visual e relacionado a provável evento neurológico foi internado para confirmação diagnóstica e tratamento.

Trinta dias após a alta hospitalar, retornou para avaliação da visão. Estava muito satisfeito por não ter tido seqüela alguma, visual ou física, do AVE que tivera. Relatou que  o acidente isquêmico deveu-se à deficiência da anticoagula- ção a que se submetia há muitos anos, devido à arritmia cardíaca. Ele usava um medicamento e decidiu trocá-lo pelo genérico, de menor custo. Quando deu entrada na emergência do hospital, foi avaliado o seu INR (índice que avalia o risco de trombose), que estava muito abaixo do ideal para reduzir o risco de acidente tromboembólico.

Foi-lhe dito que, apesar da medicação estar sendo usada, a anticoagulação estava deficiente. Assim que tomaram as medidas necessárias para aumentar a “fluidez”do sangue,o campo visual começou a melhorar e após alguns dias de estabilidade,teve alta com instruções para monitorizar constantemente seu INR e visitar periodicamente o seu cardiologista.

Ele voltou a usar a medicação antiga e estava “bem” até que teve novo AVE, como eu já havia dito no post anterior.

O que eu não disse foi que ao retornar para uma revisão do grau dos óculos, mais de um ano depois, ele estava amargurado com a seqüela física que ainda o incomodava e reclamava dos médicos. ”Nunca, nesse tempo todo de arritmia,usando anti-coagulantes, fui orientado a fazer qualquer alteração na minha alimentação por causa do remédio  que eu estava usando…talvez pudesse ter evitado tudo isso…”

Ele estava se referindo à influência de alguns alimentos na qualidade da anticoagulação de alguns remédios utilizados com esta finalidade. Alguns medicamentos têm a sua eficiência diminuída quando comemos alguns alimentos específicos. Se não pudermos evitá-los, pelo menos devemos aumentar a dose da medicação para que o mesmo efeito seja obtido. E nem preciso lembrar que só o médico está habilitado a fazer estas alterações e sempre de acordo com as normas existentes para tal fim ou assistido por um nutricionista.

Estive recentemente num simpósio sobre trombose e conversando com uma das palestrantes, falei sobre esse paciente e o uso de genéricos. Ela confirmou que, com certeza, a anticoagulação ineficiente não fôra causada pela substituição da medicação,uma vez que no serviço público,todos os pacientes atendidos por ela usam as drogas mais baratas e não havia nunca sido reportado entre eles, falha atribuível a essas drogas. A causa mais freqüente era o controle insuficiente do INR devido à alimentação inadequada. Por falta dos ajustes necessários.

Vamos rever o caso? Trata-se de um homem com escolaridade superior, que ainda jovem teve que lidar com uma arritmia, mas que até hoje, ainda não havia se dado conta da complexidade que envolvia o seu tratamento. Ele era um leigo no assunto, mas será que os médicos que o tratavam também não sabiam e, só recentemente quem estuda a anticoagulação percebeu a relação entre a dieta e a eficácia da medicação?

Ele também delegou a outros a responsabilidade sobre a sua saúde. Não é questão de confiar ou não no outro. A quantidade de informações que devem ser cruzadas para se chegar a um consenso a respeito de cada caso especifico e único em sua apresentação torna impossível que possamos dar conta de tudo sozinhos. Nós, médicos, precisamos que o paciente nos veja como profissionais amigos que têm a tarefa de ajudá-los a se cuidar, mas que precisamos de parceria neste processo. Perguntem,questionem,dividam conosco suas dúvidas e deixem que dividamos com vocês as nossas. Somos humanos não somos deuses.

De qualquer forma, como disse antes, como os avanços da medicina acontecem após muitos anos de tentativa e erro,como em todas as áreas do conhecimento humano, é bem mais prudente e nos poupa tempo, dinheiro e saúde,fazermos a prevenção das doenças.

Você não está de acordo?

sobre anticoagulação

Sites onde você encontra orientação sobre anticoagulantes, definição de INR,drogas alopáticas,fitoterápicas (“remédios naturais”) e alimentos que potencializam ou reduzem os efeitos destas drogas:

www.mdsaude.com/2009/01/interacoes-com-varfarina-marevan.html#imxzz163SeGov

www.fqm.com.br/Site/br/publico/Anticoagulacao.aspx#p15

Outra referência sobre anticoagulantes orais e vitamina K

www.drashirleydecampos.com/noticias/17983

Alimento funcional e arritmia cardíaca

Uma link interessante sobre alimentos funcionais, publicado por Marcos Vinhal Campos,2008 www.revistavigor.com.br/2008/08/19/alimentos-funcionais-uma-nova-alternativa/

Outros:

http://portaldocoracao.uol.com.br/materiais.php?c=nutricao&e=450

www.nutricaoativa.com.br