hipertensão arterial

Oftalmologia Preventiva…como se faz?

OFTALMOLOGIA PREVENTIVA

Falar sobre prevenção em oftalmologia é, em primeiro lugar, falar da garantia de boa qualidade visual futura, através da avaliação precoce da visão na infância, visando à prevenção da ambliopia (que é o não desenvolvimento -evitável- da acuidade visual potencial num dos olhos em decorrência de estrabismo ou outra patologia oftalmológica que não tenha sido diagnosticada antes dos seis anos de idade.

Falar da prevenção dos traumas oculares, causa importante e bem conhecida de cegueira evitável no mundo! Acidentes de trabalho, acidentes de transito e acidentes domésticos.

Falar de como a hipertensão arterial, a obesidade, a síndrome metabólica (através do aumento da resistência à insulina) e o diabetes podem interferir negativamente na qualidade visual em longo prazo.

Enfim,

Falar da prevenção das doenças crônicas degenerativas oculares como o glaucoma, algumas uveítes e a DMRI (degeneração macular relacionada à idade), que podem ter início antes da idade adulta e apresentar desfechos negativos mais precoces ou na senilidade, reduzindo a qualidade de vida dos indivíduos.

Estratégias: exames oftalmológicos de rotina, orientação a respeito de normas de segurança no trabalho e cuidados para prevenção de acidentes domésticos. Mas, principalmente em relação às doenças crônicas degenerativas, é imprescindível a conscientização da necessidade de manter estilo de vida mais saudável.

E essa conscientização deve ser feita através da construção, desde cedo, do conhecimento a respeito das doenças oculares e sua prevenção!

Elizabeth Navarrete

Leia mais em http://www.duvidasemoftalmologia.wordpress.com

Você está cuidando bem do seu glaucoma?

O glaucoma é uma doença em que o nervo óptico deixa de ser oxigenado devidamente. Com isso, as fibras nervosas que levam a informação visual para o cerebro vão desaparecendo ao longo do tempo. Essas fibras estão reunidas no nervo óptico e podemos visualizar essa perda gradual atraves do exame da papila ou disco óptico.
Pela observação direta ou indireta (fundo do olho ou retinografia), pelos exames de imagem (GDX, HRT ou OCT) ou pela perda funcional refletida no exame de  campo visual.

Então, se a hipóxia (diminuição da oxigenação) é a causa, as doenças que afetam a microcirculação como hipertensão arterial, diabetes, enxaqueca, hipotensão arterial severa,aterosclerose e apnéia do sono são fatores de risco para desenvolvimento da doença glaucomatosa.

Quer saber mais? Acesse https://elizabethnavarrete.com/2010/02/15/glaucoma-e-doenca-vascularqual-a-relacao/
Então o que podemos fazer é melhorar a nossa micro circulação. Como fazemos isso?

Eliminando o sedentarismo. Fazendo exercícios aeróbicos quatro a seis vezes na semana, por exemplo, andando rápido, 4 a 5 km durante 40 a 50 minutos, na freqüência cardíaca submáxima avaliada no seu teste de esforço.  Melhor que isso… procure um profissional de educação física e busque essa informação diretamente com ele, personalizando o seu condicionamento físico.
Mas em geral esse é o protocolo.
Além disso, claro, corrigir a dieta de acordo com a sua doença e mantê-la sob rígido controle, seja ela qual for!
E não se esqueça… pingar colírios, fazer laser ou operar o glaucoma (aspecto oftalmológico) e tomar remédio e controlar a doença tanto no aspecto laboratorial  quanto de resultado de exames complementares (aspecto cardiovascular) não basta!

Isso não assegura saúde microvascular. Apenas indica que o que pode ser feito em relação a essas estratégias está sendo feito. Nada mais!

Faça a sua parte!

O exercício é a única intervenção capaz de modular o endotélio vascular e retardar ou limitar as alterações que podem levar a curto, médio ou longo prazo a desfechos negativos tanto cardiovasculares quanto oftalmológicos.

Oftalmologia,senilidade e qualidade de vida futura

Por que não devemos procurar o oftalmologista apenas quando existem queixas visuais,ou simplesmente precisamos trocar os oculos…

Envelhecer enxergando bem…esse é o objetivo de todos nós e o  compromisso de todo oftalmologista  com cada individuo sob seus cuidados!

O exame oftalmológico regular é sempre uma necessidade tendo em vista não apenas a avaliação pontual da doença ocular e sim como potencial fator preditivo dessas mesmas doenças.A antecipação  ao adoecimento é e sempre será o desejável na atuação medica.Uma vez que o tratamento medicamentoso vem se mostrando a longo prazo mais iatrogênico do que antes pensado,a prevenção ou mesmo a melhor interpretação da forma de introduzir e conduzir o tratamento necessário são extremamente importantes.

A senilidade significa a desorganização  lenta e gradual dos sistemas bioquímicos e estruturais do nosso organismo, o que leva ao que chamamos degeneração orgânica, com suas manifestações funcionais especificas.Dependendo do órgão ou sistema mais debilitado (genética e/ou ambientalmente predisposto),os sinais surgem mais precocemente neste ou naquele órgão.

No caso especifico dos olhos,mais comumente na senilidade, a catarata,o glaucoma e a degeneração macular relacionada à idade (DMRI) são as manifestações mais comuns e,respectivamente, o cristalino,o nervo óptico e a retina (especificamente sua área mais central,a macula) devem ser alvo de exames periódicos para que se possa desenvolver estratégias no sentido de retardar os desfechos negativos a eles relacionados.

Comentando sobre o glaucoma, embora ainda não saibamos exatamente a causa dessa neuropatia óptica isquêmica progressiva,sabemos que devemos ficar atentos a alguns fatores que podem sinalizar os indivíduos de maior risco.A concomitância de hipertensão arterial sistêmica  de diabetes mellitus,de migranea(enxaqueca –presente ou passada),de hipotensão arterial importante,de síndrome da apneia do sono,alem da hereditariedade positiva são fatores que devem ser levados em consideração na estratificação de risco para a doença. Para conhecer mais a respeito de fatores de risco (individuais e coletivos) para o desenvolvimento de glaucoma e avaliar seu escore em relação à doença, veja o questionario no link abaixo:

http://willsglaucoma.org/cgi-script/csArticles/articles/000000/000074.htm

Outros fatores são na verdade sinais clínicos como o valor da pressão intra-ocular,sempre relacionada à espessura corneana e à avaliação da aparência do disco óptico com seus sinais localizados de perda de fibras nervosas (modificação da relação que existe entre o diâmetro do disco óptico e da sua escavação,alem da alteração do padrão de espessura dos bordos inferior,superior,nasal e temporal desse disco: a essa relação damos o nome de padrão ISNT).

Quanto à DMRI, sabemos que o fator exposição à radiação UV (tanto no verão quanto no inverno pela agravante ambiental a ela relacionada (buraco na camada de ozonio)) alem da perda progressiva dos pigmentos maculares ( luteina e a zeaxantina) devido ao envelhecimento, vem tornando essa patologia cada vez mais prevalente entre nós.

O que devemos fazer é instituir a alimentação funcional (e num segundo momento e sob supervisão medica, a suplementação) para aumentar os niveis oculares desses bioflavonoides além de utilizarmos sempre oculos com proteção UV plena.Alem disso nos conscientizarmos de que o estilo de vida atual gera um estado pró-inflamatorio em nosso organismo acelerando a degeneração dos tecidos e orgaos. O contraponto a essa situação é o aumento da atividade fisica e a adoção de uma dieta mais rica em alimentos que alem de não estimularem a sintese de substancias favorecedoras de inflamação atuam em direção oposta.

O combate ao sedentarismo e a adoção de uma dieta mais saudavel contribuem tambem para reduzir as doenças vasculares como hipertensão arterial e diabetes mellitus, que atuam como fatores de risco para o aumento da incidencia e da gravidade das doenças oculares da senilidade.

A catarata,ou perda de transparencia do cristalino,faz parte do processo natural e gradual de envelhecimento do olho. Todos,sem exceção, mostramos esse tipo de evolução,diferindo apenas em intensidade (maior ou menor)  e tempo (mais acelerado ou bem mais lento). Quando essa perda de transparencia chega a interferir na qualidade de vida do individuo há necessidade de cirurgia. Por outro lado, muitos individuos podem chegar a idades bem avançadas sem necessidade de intervenção cirurgica,e com acuidade visual compativel com boa qualidade de vida. Aqui tambem a proteção UV atraves de oculos solares de boa qualidade, o aumento de aporte de carotenoides (zeaxantina e luteina) e a manutenção da saude (evitando uso frequente de medicamentos  e com isso possiveis iatrogenias) ajudam a prolongar a vida útil do cristalino e,mais uma vez, melhorar a qualidade de vida na senilidade.

Essa avaliação periódica é importante para a estratificação de risco de cada individuo. Cada um de nós pode ter uma qualidade de vida maior se nos anteciparmos a esses eventos e cada vez mais deixarmos de identificar as doenças apenas quando elas já necessitam tratamento.O que buscamos hoje é o desenvolvimento de estratégias que ajudem a prolongar o bem estar do individuo durante a senescencia.

OLHO NO OLHO! veja … o que nós vemos!

exame do fundo de olho

Mostra como nós,oftalmologistas, vemos as camadas mais internas do seu olho (a retina,coroide e os vasos sanguineos). Veja o que nós vemos: a área branca com vasos partindo do seu centro é o nervo óptico.A área mais escura é a mácula e,nesse caso,em torno dela,as minusculas manchas branco-amareladas são as drusas (que podem ser precursoras da degeneração da mácula). Um exame simples,não invasivo e que pode nos trazer tanta informação!

E nós conseguimos ver com muito mais precisão do que voce está vendo aí no video. A imagem é muito mais nitida ao vivo e a cores do que você vê na gravação.

Os exames endoscópicos tambem nos permitem esse tipo de olhar.Mas necessitam preparação prévia, muitas vezes desagradáveis,e vêm tão somente o tecido/orgão que se propõem examinar.Com a fundoscopia não.Como vemos a circulação terminal (que é parametro para avaliação da circulação arteriolo-venular de qualquer outro órgão do corpo), podemos inferir como deverá estar se processando a oxigenação dos outros tecidos nobres como coração,rins e cerebro.

Viu?

O que voce achou?

A possibilidade de ver o organismo atraves dessa verdadeira janela que se abre para nós, oftalmologistas,num exame que faz parte da rotina de consultorio é uma oportunidade única. Dificilmente ,durante um bom tempo ainda, teremos acesso tão fácil e não invasivo a qualquer outro orgão no corpo humano! E a oportunidade de avaliar a saude de um  individuo atraves desse orificio tão pequeno que é a pupila,é  imperdível! Nunca deixo de me empolgar com a idéia de poder ajudar a mudar a qualidade de vida futura de alguem observando o que o fundo de olho me diz a respeito da hipertensão arterial,do diabetes mellitus,dos efeitos colaterais que algumas drogas usadas no combate a certas doenças sistemicas podem gerar nos olhos.

O exame fundoscópico auxilia no estadiamento dessas doenças,ajudando o cardiologista ,o clinico geral e o endocrinologista a melhor controlar essas patologias, no sentido de evitar  lesões nos órgãos alvo (coração,rins e cerebro), que levam o paciente a desfechos negativos.

Consulte seu oftalmologista!

Não espere aparecer algum sintoma para procurá-lo.Prevenir é sempre o melhor remédio!

Glaucoma e doença vascular:qual a relação?

 

 

 

O que há de novo sobre glaucoma.

A definição de glaucoma mais aceita hoje é de uma neuropatia óptica isquêmica cronica progressiva.Trocando em miúdos,seria o sofrimento do nervo óptico por conta de uma diminuição de aporte sanguineo.A redução do fluxo de sangue no nervo pode ser explicada ou por um aumento na resistência à entrada de sangue, através do aumento da pressão intra-ocular ou essa pressão está normal mas a pressão de pulso ( ou seja a força com que o sangue é bombeado para o olho ) é baixa e a irrigação do nervo é deficiente.Quando as duas causas estão presentes, mais difícil se torna o tratamento desse paciente.

Os indivíduos que são hipotensos arteriais  e/ou  que têm migranea (enxaqueca), além dos hipertensoas arteriais,são indivíduos que apresentam maior dificuldade em controlar a doença glaucomatosa.Nesses pacientes,em que existe uma maior dificuldade na regulação vascular,a monitorização da doença glaucomatosa deve ser mais intensa (maior numero de  visitas oftalmológicas e rígida avaliação da variação da pressão intra-ocular diuturna e da variação da pressão arterial à noite,através da monitorização ambulatorial da pressão arterial (M.A.P.A.)).

A maioria dos pacientes pensa que glaucoma é o aumento da pressão intra-ocular pura e simplesmente.Seria muito bom se fosse apenas isso.Como em todas as áreas do conhecimento médico,cada vez mais surgem dados que nos lembram que nenhum órgão está isolado do organismo.Tudo que acontece localmente tem repercussão sistêmica, ou seja no todo, e vice-versa. Então se antes pensávamos no glaucoma como uma doença do olho hoje podemos dizer que os sinais e  sintomas da doença são oculares porém muito provavelmente a falta de regulação vascular (que acontece em todas as áreas desse organismo e não só no olho) é a responsável pelo aparecimento da doença naquele individuo.

São muitos os fatores que levam às doenças.Senão,vamos raciocinar: porque nem todos os enxaquecosos tem glaucoma? O mesmo raciocínio vale para os hipertensos arteriais.A resposta é simples: A doença é fruto de um somatório de fatores  como predisposição familiar (herança genética),disfunção vascular,uso de medicações para outras patologias que podem interferir com o fluxo sanguineo para o olho,etc Existem fatores de proteção  que podem ser agregados, quando se conhece o terreno biologico do individuo,na expectativa de que ele não venha a desenvolver a doença glaucomatosa e ,na minha opinião,podem desde já ser utilizados a nosso favor .

Mais estudos são necessários para comprovar essa possibilidade de intervenção preventiva.Mas, enquanto  isso não acontece, por que não fazer uma seleção de pacientes que podem vir a se tornar glaucomatosos com a idade e propor mudanças de hábitos alimentares (reduzir ou eliminar fatores de agressão vascular) e estilo de vida (“malhar” a rede vascular para melhorar o fluxo sanguineo e manter o bom aporte de oxigênio aos tecidos,que costuma diminuir com a idade e mais ainda naqueles que mostram um padrão de disregulação vascular (hipertensos,migranosos e pacientes com tendências a espasmos vasculares como os anginosos)).

Enfim,enquanto não temos todas as respostas,vamos tentar melhorar a qualidade de vida na senilidade, uma vez que estamos mais longevos. Vamos  mudar nossos hábitos enquanto ainda não estamos velhos ou doentes;vamos identificar nossos “terrenos biológicos” (genética), conhecer mais o que já existe em termos de reconhecimento de possíveis fatores negativos na gênese de doenças degenerativas e tentar fazer um trabalho preventivo.

Se a doença acontecer, pelo menos teremos maior possibilidade de controle  terapêutico do que se deixarmos toda a gama de fatores negativos somarem de forma a favorecer um desfecho negativo.No caso do olho,levar a uma redução importante da visão periférica (ou mesmo perda central),diminuindo muito a qualidade de vida.

Consulte o oftalmologista periodicamente,mantenha sua saúde vascular,procure não desenvolver as doenças  evitáveis através de maior controle nutricional e exercicios físicos (diabetes mellitus e hipertensão arterial)…e terá feito a sua parte para tentar garantir uma maior qualidade de vida à sua longevidade.

É o que podemos e devemos fazer!

As imagens foram importadas do site http://www.oftalmonews.com.br