zeaxantina

A suplementação na DMRI…no tratamento ou também como prevenção da doença?

A suplementação de vitaminas e sais minerais na DMRI. Como tratamento apenas ou também na prevenção da doença?

Comentário que gerou o post:

“Meu pai, com mais de 80 anos, tem DMRI tipo seca.

Os médicos alegam nada ter a fazer, sendo que um deles acha desnecessário vitamina (que só serviria como medida preventiva da doença).

Assim, qual é o melhor suplemento para PREVENIR  e qual o melhor para RETARDAR a degeneração macular relacionada à idade?”

 

 

A suplementação de vitaminas e sais minerais como coadjuvante do tratamento da DMRI foi avaliada inicialmente através do AREDS (National Eye Institute).Hoje é universalmente utilizada mas ainda não é consenso. Novos estudos (com valores diferentes para zinco e betacaroteno além de suplementação de novos itens- luteína,zeaxantina e Omega 3) estão sendo realizados. Daí surgirão novas diretrizes.

A conclusão do estudo anterior (AREDS1) mostrou que a combinação dos antioxidantes conforme formulação reproduzida abaixo, diminuiu o risco de progressão para a forma avançada da DMRI em 25% e reduziu o risco de diminuição da visão em 27%, durante o período em que foi estudada a população.

FORMULAÇÃO AREDS:

Vitamina C 500 mg

Vitamina E 400UI

Beta-caroteno 15 mg (ou Vitamina A 25000 UI)

Oxido de zinco 80 mg = 64mg Zn

Oxido cúprico 2 mg

OBS: O cobre foi adicionado à formulação AREDS  para prevenir anemia por      deficiencia de cobre, condição associada à ingesta de altas doses de zinco.

Portanto, atualmente recomenda-se que pacientes com mais de 55 anos, não-fumantes, portado res de formas intermediárias ou avançadas da DMRI, sejam tratados com suplementa ções vitamínicas baseadas no AREDS.

Leia mais em http://www.abonet.com.br/abo/693/443-445.pdf

Além da suplementação de vitaminas e sais minerais outros trabalhos mostraram que a suplementação de luteína e zeaxantina pode ser bastante útil na DMRI. E como faz sentido, uma vez que com o envelhecimento diminui a quantidade desses pigmentos na mácula e com isso fica reduzida a sua capacidade de lidar com a agressão dos radicais livres (gerados também pela fototoxicidade), é o que fazemos hoje (AREDS e luteína)!

Mas aqui vão alguns pontos sobre os quais ainda ouviremos falar bastante:

 

  • Alguns estudos recentes (em andamento) associam a ingesta de carotenóides em altas doses com diminuição da produção de HDL, aumento de LDL e maior risco de cardiopatias.
  • Portadores de DMRI,em risco de progressão, podem se beneficiar com uma mudança de hábito alimentar (redução de ingesta de carboidratos refinados).
  • Pacientes com DMRI,ou sinais precoces da doença, podem se beneficiar do uso de suplementos conforme estudo AREDS. Mas os danos potenciais vinculados ao uso de altas doses de anti-oxidantes não devem ser esquecidos. Incluem-se o aumento do risco de câncer de pulmão em fumantes (betacaroteno), falência cardíaca devido a doença vascular ou diabetes (vitamina E) e alterações urinárias (zinco), além do aumento do risco de cancer de próstata (selênio).
  • O avanço de duas formas da doença, seca e úmida, foi 25% menor entre os que consumiram uma dieta rica em ácidos graxos como o Ômega 3.
  • Um teste clínico mostrou que as pessoas que tomaram 25.000 UI de vitamina A por dia, durante 3 a 4 anos, tiveram um aumento do nível de triglicerídeos e colesterol total, e uma redução do colesterol bom (HDL). Além de aumentar o risco de osteoporose.

AREDS 2:

 

O principal objetivo do AREDS 2 é avaliar o efeito dos pigmentos xantofilicos (luteína e zeaxantina) e/ou ac. graxos poliinsaturados do tipo Omega-3 (DHA e EPA) na evolução da DMRI. Conseguirá evidenciar a redução de progressão da doença? Leia mais em http://www.nei.nih.gov/amd/summary.asp    E conheça as dúvidas sobre altas doses de betacaroteno em fumantes, se altas doses de vitamina E aumentam risco de câncer de próstata e se o uso continuo da formulação  sugerida pelo estudo AREDS previne o desenvolvimento da DMRI?

Para esta ultima pergunta a resposta é não!  A prevenção através de suplementação vitaminas e sais minerais (pelo menos nas doses indicadas no estudo para DMRI) não foi comprovada. O risco seria maior do que o benefício a longo prazo!

A sugestão é de uso da suplementação apenas após o diagnostico da DMRI,mesmo nos indivíduos com história familiar de degeneração macular relacionada à idade. O objetivo a ser atingido no caso de familiares de portadores é o diagnóstico precoce.

Os carotenóides constituem um grupo de pigmentos lipossolúveis naturais que o ser humano não é capaz de sintetizar, necessitando, por tanto, incluí-los na dieta. O consumo de frutas e vegetais entre os ocidentais é ainda muito baixo, apesar da recomendação para se ingerir 5 porções desses alimentos ao dia. A luteína tem ação antioxidante que protege as células contra os radicais livres.  A luz azul visível demonstrou ser prejudicial aos fotorreceptores e ao EPR. A luteína e a zeaxantina demonstraram absorver a luz azul. Os pacientes com DMRI que começaram  a tomar regularmente complexos à base de luteína após o diagnóstico inicial apresentaram retorno dos níveis do pigmento macular aos da faixa normal. Mas o que se frisa é que o consumo dessas substâncias deve estar SEMPRE associado a uma dieta equilibrada e hábitos de vida saudáveis, para que se consiga os efeitos benéficos sugeridos.

Os antioxidantes luteína, zinco e zeaxantina estão presentes em frutas e vegetais como couve, nabo, espinafre, alcachofra, gema de ovo, ameixa, morango, maçã, blueberry (mirtilo), cereja, morango, uva roxa, cenoura e abóbora. Alimentos como feijão, amêndoas e nozes também contêm antioxidantes, embora em menor quantidade. Então na prevenção da DMRI em indivíduos sadios (sem DMRI mas com historia familiar positiva) podemos fazer o aporte nutricional funcional (através de alimentos que contém as substancias necessárias), em substituição à suplementação que a longo prazo pode trazer mais riscos do que benefícios. A biodisponibilidade e o controle orgânico daquilo que é ingerido faz com que o risco de desequilíbrio nutricional e efeitos colaterais indesejáveis seja bem menor na prática da alimentação funcional do que na suplementação.

Em relação aos pacientes com DMRI já diagnosticada, o tipo de suplementação disponível no mercado nacional,disponibiliza as substancias em quantidades bem inferiores aos valores sugeridos pelo AREDS, mas segue, na maioria das vezes a dose máxima diária permitida (ou a ingestão diária recomendada pela ANVISA).

Em resumo:

A DMRI é uma doença degenerativa e como tal, fazer frente a ela significa desenvolver estratégias para reduzir a obesidade e redução dos índices de doenças cardiovasculares, através de mudança de hábito alimentar, evitando o estado pró-inflamatório do organismo e eliminação do sedentarismo. Através do exercício e do suor eliminamos toxinas, nos oxigenamos melhor aumentando o aporte de oxigênio aos tecidos nobres (coração, cérebro, rins, olhos …no nosso caso) através de inspiração  expiração mais bem feitas,durante o exercício, alem de ativar a circulação propriamente dita, aumentando o beneficio de oxigenação ainda mais!)

Outra estratégia é adquirir o hábito de usar  óculos de proteção contra a radiação ultravioleta (100% ou próximo disso, a cor marrom seria de um beneficio maior, por estar numa freqüência de onda  mais longe da dos raios azuis, é o que se sugere..mas qualquer que seja, usar SEMPRE! Esse tipo de proteção é realmente necessário, imprescindível!!

Lembro mais uma vez o Dr. Terry Grossman, falando sobre a DMRI no livro “A medicina da imortalidade” de Ray Kurzweil e Terry Grossman. Editora Aleph,2006:

 “A luteína é um bioflavonoide encontrado naturalmente em muitas frutas e verduras. Ingerir uma dieta rica em luteína e outros bioflavonoides naturais, encontrados em produtos agrícolas de cor viva, pode ajudar a prevenir ou retardar a ocorrência de DMRI… Em alguns grupos estudados, houve uma diferença de até 10 vezes na ocorrência de drusas (…que costumam resultar em DMRI).entre indivíduos que têm as maiores e as menores concentrações de luteína.

E é sempre é bom lembrar também  que cada caso é um caso. A couve, por exemplo,é bastante rica em carotenóides e uma ótima fonte de luteína.Mas pacientes em uso de anti-agregantes plaquetários devem se abster de consumi-la ou pelo menos informar à nutricionista e/ou medico cardiologista seu uso constante, para uma revisão da dose a ser usada da medicação. O alimento bom para uns não é necessariamente ideal para outros. Muitas vezes são até absolutamente contra-indicados!

Conheça mais sobre DMRI lendo outro post neste blog:

https://elizabethnavarrete.com/2010/02/11/dmri-degeneracao-macular-relacionada-a-idade/

Como anda a sua visão?

Há alguns dias respondi a algumas perguntas a respeito do tema: Como anda sua visão?

Considerei bastante interessante a matéria e muito oportuno o questionamento a respeito de saúde e doença ocular. A informação voltada para o público leigo foi iniciativa da produção do programa  Espaço Feminino da TV Boas Novas.

Eis as perguntas e as respostas:
1- Que sinais apontam que a saúde dos olhos não está adequada?

Você conhece a frase “O corpo fala”?

É, inclusive,titulo de um livro.

Então, sinais de que a saúde dos olhos não vai bem podem ser desde uma dor de cabeça persistente e relacionada aos esforços visuais sem qualquer alteração na visão até a percepção da própria doença ocular através de vermelhidão, ardência, coceira (prurido), sensação de areia ou mesmo dor ocular. Sintoma importante também é a percepção súbita de manchas na visão, como as moscas volantes ou as “teias de aranha” que surgem quando o vítreo liquefaz e/ou se descola. Neste momento devemos buscar ime diatamente o oftalmologista para identificar possíveis degenerações de risco para DR (descolamento de retina) e fazer sua profilaxia.

Importante lembrar que todo sintoma novo, especialmente se agudo deve ser avaliado pelo médico. Por exemplo, a vermelhidão do olho pode ser uma conjuntivite viral (que é auto-limitada, mas ainda assim pode deixar algumas seqüelas que podem ser evitadas quando tratadas convenientetemente) ou outra doença mais importante que pode ser indicativa de problemas em outros órgãos e não apenas nos olhos.

O inverso é verdadeiro também. O exame oftalmológico rotineiro pode surpreender e antecipar um diagnóstico e mudar o desfecho da doença. Por exemplo, um papiledema,num caso neurológico ainda não sintomático. Uma hemorragia no nervo óptico num indivíduo com pressão intra-ocular normal e sem historia familiar de glaucoma. Uma alteração discreta de transparência cristaliniana (catarata incipiente) num jovem de vinte e poucos anos em uso crônico de medicação inalatória preventiva da asma com corticóide ou secundária a terapia de luz pulsada para remoção de mancha da pele. Ou ainda uma “mancha no campo visual”,perda campimétrica  de aparecimento súbito que pode ser o primeiro sintoma de um AVC.

2- Quais são as queixas mais comuns na visão causada pela modernidade ?


•Sem dúvida nenhuma a astenopia, ou  seja, o aparecimento   de ardência ocular, lacrimejamento, dores de cabeça, embaçamento visual  transitório, piora da visão de longe percebida ao final do dia, na hora de pegar o ônibus ou dirigir na volta para casa.O uso inadequado do aparelho visual nas atividades como fixar monitores por muitas horas, ou alternar a visão do papel para a tela por muito tempo. O uso de celulares, PDAs, que exigem mais da visão de perto, todas as novidades eletrônicas trouxeram agilidadade à comunicação mas não tivemos tempo de nos prepararmos para estas novas exigências diárias.

A musculatura ocular vem sendo cada vez mais exigida. E algumas vezes é preciso nos adequarmos a estas exigências. E nós o fazemos através da ergoftalmologia que nos diz como adequarmos a atividade visual ao nosso ambiente de trabalho para diminuir o desconforto. Dicas como a cada 40 ou 50 minutos olhando a tela do computador afastar os olhos em direção a alguma informação visual à longa distancia (olhar através de uma janela por exemplo). Ou lembrar de piscar com maior freqüência outro exemplo.

Caso não seja suficiente, a fisioterapia visual (ortóptica) está bem indicada e nos ajudará a aliar a qualidade ao conforto visual nas tarefas prolongadas em que a visão de perto está envolvida.

•Outra causa é a diminuição da qualidade da visão devido à prevalência da DMRI,que segundo a OMS e à catarata cada vez mais precoce.

•Também as queixas relacionadas à iatrogenia ocular devida a procedimentos médicos ,além da fotofobia relacionada às doenças oculares (ceratocone,  ceratites, uveites) como efeito colateral de alguns medicamentos, às endocrinopatias (hipertireoidismo), etc

3- Que cuidados e prevenção são necessários para a saúde dos olhos?


Em geral, num organismo equilibrado, a manutenção da saúde se faz através de uma dieta saudável e balanceada, exercícios físicos e uma boa higiene do sono. Ele, organismo foi concebido para manter a homeostasia, em condições normais, segundo as orientações já conhecidas. Quando nos afastamos destas necessidades básicas, ele faz o que pode, mas nem sempre consegue a longo prazo manter este equilíbrio e então surgem os sintomas das doenças. A partir daí o tratamento medicamentoso se faz necessário e os secundarismos deverão ser esperados a curto, médio ou longo prazo. As drogas aumentaram a longevidade, é indiscutível, mas a qualidade de vida não nos acompanhará por todo tempo a mais de vida que conquistamos.

Em relação aos olhos, bàsicamente a tríade catarata, glaucoma e degenera ção macular relacionada à idade são as doenças degenerativas oculares mais comuns na senilidade. A catarata é o cabelo branco do olho. Todos nós teremos! É uma opacificação, mudança de coloração e transparência da lente do olho (cristalino). Mas não significa que será preciso cirurgia em todos os casos. Depende da idade de aparecimento, do tipo de catarata, atividade do indivíduo e basicamente da avaliação do próprio em relação à sua qualidade de vida. Se ela atrapalha o seu dia a dia a catarata deve ser tratada cirùrgicamente. Ou ainda se ela produz secundarismos no olho (como aumento da pressão intra-ocular, p.ex.).

A indicação cirúrgica então deve ser  função do prejuizo à qualidade de vida do individuo e, portanto, depende da capacidade visual referida pelo próprio e não da simples aferição da acuidade visual no consultório do oftalmologista.

No glaucoma, a participação importante da doença vascular vem sendo cada vez mais avaliada e reconhecida. Portanto, a atenção maior e o controle efetivo dos fatores de risco para estas doenças  ( DAC, HAS, DM, apnéia do sono,aterosclerose) tornariam o glaucoma uma doença cada vez menos prevalente. Ou pelo menos o seu controle seria mais fácil e menor o risco de desfechos negativos.

Já na DMRI, o melhor controle da doença vascular, aliado ao aporte de nutrientes específicos (ricos em luteína e zeaxantina), redução do aporte de alimentos com alta carga glicêmica (pró-inflamatórios) e ao uso sistemático de óculos com excelente proteção contra a radiação UV são intervenções que se acredita possam reduzir bastante sua incidência ou mesmo retardar a sua evolução.

Ainda tem dúvidas? Deixe um comentário para que possa ser esclarecido.

DMRI veja como acontece….

DMRI

Animação ilustrando o que acontece no interior do olho (retina e coroide) na degeneração macular relacionada à idade e sua repercussão na visão do individuo.

Voce já ouviu muito ( e ouve, ainda)  falar sobre a DMRI…vamos ver como se desenvolvem as alterações e as modificações da visão de portadores de degeneração macular relacionada à idade.

Depois do video, não deixe de ler os dois posts, mais abaixo, que falam sobre essa doença do envelhecimento que causa tanto sofrimento e limitação aos idosos.Vamo-nos preparar para mudar essa história, ajudar a diminuir a sua incidência e retardar o processo evolutivo, naqueles que já são portadores de sinalizadores de provavel doença futura!

Cegueira: a DMRI como principal causa,nos paises desenvolvidos

Conhecendo mais sobre a DMRI:

Como percebi um maior interesse no post sobre DMRI, vamos abordar aspectos dessa doença, sob outros pontos de vista.

Ainda se conhece pouco a respeito da degeneração macular relacionada à idade que antes se chamava degeneração macular senil e era vista em percentual bem menor do que hoje. O que tem mudado de 30 anos para cá? A alimentação , cada vez mais de pior qualidade,o maior numero de toxinas,ambientais e alimentares, a sobrevida maior e com isso maior processo degenerativo do organismo e a tão falada redução da camada de ozônio, nos  submetendo a maior exposição da radiação ultravioleta (como causas principais).

Será apenas coincidencia que a DMRI e a obesidade (e seus coadjuvantes)  tenham aumentado exponencialmente do ponto de vista estatistico? Não creio.

Levando em consideração apenas esses fatores, que estratégias deveríamos desenvolver para fazer frente a cada uma dessas prováveis causas modificadores da incidência da DMRI .Todas as citadas podem ser minimizadas (e muito) com adoção de medidas  simples e ao alcance de todos.

Duas delas são a mudança de hábito alimentar e eliminação do sedentarismo [através do exercício e do suor eliminamos toxinas,nos oxigenamos  melhor aumentando o aporte de oxigênio aos tecidos nobres (coração,cérebro,rins,olhos …no nosso caso) através de inspiração  expiração mais bem feitas,durante o exercício, alem de ativar a circulação propriamente dita, aumentando o beneficio de oxigenação ainda mais!].

Outra é adquirir o hábito de usar  óculos de proteção contra a radiação ultravioleta (100% ou próximo disso, a cor marrom seria de um beneficio maior, por estar numa freqüência de onda  mais longe da dos raios azuis, é o que se sugere..mas qualquer que seja, usar SEMPRE! Esse tipo de proteção é realmente necessário, imprescindível!!

Uma explicação simples e bem desenvolvida sobre a  mácula e a DMRI é a do Dr. Terry Grossman, no livro “A medicina da imortalidade” de Ray Kurzweil e Terry Grossman. Editora Aleph,2006:

“ Nossa visão mais nítida ocorre quando a luz é focada sobre uma pequena região amarela, circular, no centro da retina, conhecida como mácula lútea.Essa área minúscula, onde a energia luminosa se transforma em sinais elétricos para a transmissão ao cérebro, é uma região de intensa atividade metabólica.É preciso uma concentração elevada de antioxidantes para neutralizar o dano de elétrons de  alta energia extraviados, que inevitavelmente se desprendem dos diversos mecanismos de transporte de elétrons dentro da macula.No decorrer de décadas, esse dano acumula-se e pode levar à degeneração macular relacionada à idade (DMRI) a principal causa de cegueira em países desenvolvidos.”

“A luteína é um bioflavonoide encontrado naturalmente em muitas frutas e verduras. Ingerir uma dieta rica em luteína e outros bioflavonoides naturais, encontrados em produtos agrícolas de cor viva, pode ajudar a prevenir ou retardar a ocorrência de DMRI… Em alguns grupos estudados, houve uma diferença de até 10 vezes na ocorrência de drusas (…que costumam resultar em DMRI).entre indivíduos que têm as maiores e as menores concentrações de luteína.”

Outra abordagem interessante que ajuda a entender  a DMRI, é a da jornalista Jill Fullerton-Smith  em seu livro “A verdade sobre a comida” Editora Intrinseca,2008:

“A retina contem milhares de células sensíveis à luz, que enviam sinais ao cérebro. Os radicais livres danificam as células da retina e afetam sua ação…Uma em cada 6 pessoas com mais de 60 anos sofre de DMRI.Aos 75 anos, uma em cada 3 tem a doença.A DMRI não provoca perda total da visão, mas a afeta de tal modo que muitos de seus portadores são considerados “legalmente cegos”. Na verdade, esta é a principal causa de cegueira no mundo desenvolvido.”

“Infelizmente a própria exposição à luz provoca a formação de radicais livres na retina… Quanto mais forte a luz e quanto mais azulada, maior a quantidade de radicais livres produzidos. A luz ultravioleta é mais destrutiva.Obviamente a natureza tem uma forma de proteger os olhos.Existe na retina um pigmento que absorve a luz azul e ultravioleta. O pigmento atua como se fosse os oculos escuros do olho,bloqueando parte da luz ultravioleta antes que ela possa causar danos.”

“O pigmento presente na retina também possui outra função: trata-se de um potente antioxidante.Assim, quando os radicais livres,potencialmente perigosos chegam à retina,em geral são detidos antes de causar danos.O pigmento protetor da retina concentra-se na macula, onde é mais necessário”.

“…”pigmento macular”…as pessoas que  o possuem em quantidades insuficientes correm risco de desenvolver DMRI…”

“Surpreendentemente, o corpo não produz o pigmento macular.Ele é formado por dois compostos quimicos amarelo-alaranjados que são produzidos apenas por plantas.Assim, a única maneira  de mantermos os níveis do pigmento nos olhos é garantindo a ingestão de alimentos que o contenham. As duas substancias químicas no pigmento macular recebem nomes exóticos: luteína e zeaxantina…”

E, novamente,nos auxiliando das orientações que a Harvard Medical School disponibilizou a respeito no (“Guia Pratico para Proteger sua Visão” editora Campus 2002), vamos reproduzir alguns fatos importantes sobre DMRI:

“Uma pessoa afetada pela degeneração macular relacionada à idade pode desenvolver um ponto cego no campo de visão que pode aumentar de tamanho com a progressão da doença.Este ponto cego pode afetar a capacidade de realizar atividades rotineiras que exigem visão direta ou central,como ler,costurar,dirigir e reconhecer as pessoas.(A visão periférica não se altera.)”

“Uma doença potencialmente devastadora, a degeneração macular relacionada à idade é a causa mais comum de cegueira legal em pessoas com mais de 55 anos de idade…. e 5% das pessoas com mais de 65 anos sofrem algum grau de perda de visão em decorrência da DMRI.

A DMRI poupa a visão periférica, os pacientes com DMRI raramente ficam cegos.

Tipos de DMRI:

A doença ocorre em duas formas principais: a forma seca e a forma exsudativa.A grande maioria das pessoas afetada pela degeneração macular relacionada à idade   (90%) tem a forma seca ou atrófica, na qual pequenos depósitos amarelados chamados drusas se formam e começam a decompor os fotorreceptores (células sensíveis à luz) na área macular da retina.

A DMRI exsudativa, a forma mais grave e implacável da doença, ocorre quando surgem vasos sanguíneos anormais que avançam para dentro da retina,na direção da mácula,como raízes de uma árvore sob a calçada. Esses novos vasos são frágeis e propensos a vazamentos de liquido e sangue,que provocam danos tissulares e às células fotorreceptoras,danificando rapidamente a mácula…

Embora ocorra em apenas 10% de todos os casos de degeneração macular relacionada à idade, a DMRI exsudativa é responsável por 90% dos casos de cegueira legal nos casos de degeneração macular.”

“Causas e fatores de risco:

O envelhecimento,  em si, é um importante fator de risco: as pessoas com cinqüenta e poucos anos têm apenas 2% de chance de desenvolver a DMRI; esse risco pula para 30% nas pessoas acima de 75 anos. As mulheres…  desenvolvem a doença com mais freqüência, bem como pessoas com histórico familiar de degeneração macular relacionada à idade.A raça também é um fator de risco; os caucasianos têm mais probabilidade de perder a visão em decorrência da doença do que os afro-americanos.

Outros fatores que aumentam o risco são: tabagismo, exposição à luz do sol e à  radiação ultravioleta,olhos claros, miopia, hipertensão arterial,colesterol alto e doença coronariana.”

“As pesquisas mostram que, provavelmente, a ingestão de grande quantidade de hortifrutigranjeiros ricos em luteína e zeaxantina, sobretudo nas verduras como o brócolis ou o espinafre, é útil. Consumindo uma maior quantidade deste tipo de alimento, você pode aumentar a densidade desses carotenóides na retina e no cristalino  … e protegê-los dos danos da oxidação.”

Se estiver pensando em mudar a dieta para incluir mais alimentos ricos em antioxidantes e/ou tomar suplementos polivitaminicos, consulte o médico.Talvez você tenha outros problemas de saúde que poderiam ser afetados por essas mudanças alimentares.

“…os comprimidos de vitaminas talvez não tenham o mesmo poder de combater as doenças que os alimentos integrais…No entanto, se estiver pensando em tomar uma vitamina para os olhos, peça orientação a um oftalmologista…”

“Quantidades muito elevadas de vitamina C no longo prazo, por exemplo, podem causar irritações gástricas e cálculos renais.Há também indícios crescentes de que os suplementos com mais de 100% da quantidade recomendada de vitamina A pode ser demais para pessoas com mais de 60 anos, porque a capacidade de eliminação da vitamina do organismo pelo fígado diminui.”

“…Se seu oftalmologista lhe receitar uma vitamina para os olhos,não se esqueça de mencionar que já está tomando um suplemento polivitamínico, evitando assim o consumo excessivo de nutrientes.Além disso tente fortalecer sua alimentação com muitas frutas e hortaliças…”

Antes do estudo AREDS ,o protocolo oftalmologico para tratamento da doença macular não incluia suplementação de vitaminas, minerais e  bioflavonoides em pacientes portadores de drusas no polo posterior do olho. Hoje é mandatório seu uso e, não apenas a suplementação nesses casos, mas a busca ativa pelos antecedentes familiares  de todos os individuos, procurando assim se antecipar à provavel doença,atraves de mudanças de estilo de vida (estrategias alimentares,eliminação do sedentarismo etc).

Ainda com dúvidas?

Eu tenho! Apesar de toda informação existente ,dos estudos científicos disponíveis até o momento,eu me pergunto:

  • Em indivíduos com historia familiar de DMRI (pais ou avós),a partir de que idade prescrever suplementação de luteína? Posso realmente me contentar com a ingestão diária de hortifrutigranjeiros?
  • Será que o individuo fará as modificações necessárias na sua dieta, e estará consumindo diariamente a quantidade ideal de luteína e zeaxantina? E se estiver,será essa a única intervenção necessária para evitar/retardar a DMRI?
  • Hoje o fator mais importante a que se atribui  o aumento das doenças crônicas degenerativas  (doença arterial coronariana,AVC,DMRI p.ex.) é o estado pró-inflamatório do organismo. Além dos carotenoides,devo insistir em outras medidas dietéticas ,além das já faladas e no aumento de atividade física?

Essas duvidas são pertinentes,caro leitor…porque no dia a dia,quando falo com os pacientes a respeito,e eles ainda não estão na faixa dos 50 [às vezes mesmo após os 60 , já com drusas à fundoscopia (fundo de olho) alguns ainda são resistentes] me torno repetitiva a ponto de perceber que os incomodo com meus “conselhos”.

Você é um dos que só vê o problema quando ele não tem mais uma solução satisfatória ou se antecipa a ele? Se estiver no segundo caso, meus parabéns!Você prova que se gosta e quer chegar aos 80-90 anos com excelente visão (e muito provavemente bastante saudável!)

P.S.:  Errata relacionada ao paragrafo do livro citado acima(“A Medicina da Imortalidade”):

“A luteína é um bioflavonoide encontrado naturalmente em muitas frutas e verduras. Ingerir uma dieta rica em luteína e outros bioflavonoides naturais, encontrados em produtos agrícolas de cor viva, pode ajudar a prevenir ou retardar a ocorrência de DMRI…”

A luteina,citada como um bioflavonoide é na realidade um carotenoide;esses dois compostos possuem efeitos antioxidantes e protetores dos tecidos oculares, porem pertencem a distintas classes bioquimicas.


FIQUE DE OLHO!

Na sua saúde e na saúde dos seus olhos!

“Estima-se que, em 2030,duas vezes mais pessoas perderão a visão,em comparação com os numeros atuais”

Fonte: “Guia prático para proteger sua visão” -Harvard Medical School (Editora Campus,2002)

E esse comentario foi feito num livro publicado em 2002!

Voce já sabia? O que está fazendo a respeito?

Já procurou ver se você é (mais do que a média da população) candidato a alguma doença ocular degenerativa como o glaucoma,a DMRI ou a catarata (antes dos 60 anos,porque depois dessa idade todos nós temos um alguma alteração da transparencia do cristalino)?Procure saber se na sua familia hà casos dessas doenças. A genética é um dos fatores em que podemos nos  basear para fazer uma  analise das probabilidades. Se a resposta for sim, o que está esperando para adotar um estilo de vida mais saudável em vez de apenas ficar esperando para ver o que acontece? Claro que é apenas um dos fatores…mas vivemos todos num meio ambiente “doente”,somos expostos diariamente a toxinas diversas,temos uma epidemia de cancer em evolução (o cancer tambem é considerado uma doença degenerativa,porque os riscos  de desenvolver a doença aumentam apos os 60 anos de idade e,segundo Dr. David Servant-Schreiber, todos temos um cancer dormindo dentro de nós, esperando a oportunidade para crescer e aparecer!).

A longevidade aumenta a passos largos (a medicina investe pesado em tecnologia para tratamento das doenças que surgem) mas, como será a qualidade de vida desses idosos,boa?  Ou ainda, daqui a uns poucos anos, se não fizermos nenhuma modificação no nosso estilo de vida  (que já sabemos acelera e aumenta  e muito o aparecimento e a gravidade das doenças degenerativas cronicas). Como estaremos?

E em relação aos olhos,será que essa “previsão” (de Harvard) se cumprirá?

Um certo tipo de antioxidantes,os carotenoides, exerce papel importante na manutenção da qualidade da visão.Entre eles,a luteina e a zeaxantina (relacionadas ao betacaroteno) ajudam a proteger a saúde ocular. Estão presentes tanto na retina quanto no cristalino,em grandes quantidades.

Recomenda-se a ingestão de cinco porções de frutas e hortaliças por dia para redução do risco de cancer e o mesmo serve para as doenças degenerativas oculares.Como todos já devem saber,embora poucos de nós faça uso correto das informações, uma porção equivale a uma fruta média ou meia xicara de frutas pequenas ou de uma fruta picada;3/4 de xicara de suco preparado com 100% da fruta,um quarto de xicara de frutas secas ou 1/4 de xicara de hortaliças cruas (preferencialmente) ou cozidas.

Maior quantidade de luteina e zeaxantina pode ser obtida na  couve,espinafre,milho,couve-de-bruxelas,cenoura (crua ou “al dente”),brocolis,alface romana,ervilha,vagem,aqui,abobrinha alem da gema do ovo.Como todos os carotenoides a  biodisponibilidade  (“absorção”)  é maior se houver ingestão concomitante de gordura (“boa”,tipo insaturada,claro, como o azeite de oliva extra-virgem prensado a frio, o abacate e peixe,na salada “..humm! delicia!).

No mais, o de sempre tambem: exercicios aerobicos quatro vezes por semana,água (2 litros por dia) e proteção para os olhos (contra radiação UV),usando os oculos de filtro solar sempre!

E aí…voce já está no bom caminho..ou está esperando pra ver se com voce nada acontece,mesmo  continuando a agredir seu organismo como fazemos hoje,o tempo inteiro?

Eu estou fazendo pequenas mudanças,todos os dias, como nos programas de dependentes quimicos e outros mais do genero. Eles costumam viver um dia de cada vez…ou seja consideram a máxima ” só por hoje”. No nosso caso,por exemplo seria…só por hoje comerei frutas e verduras e nada de gordura saturada! Amanhã é outro dia…e começa tudo novamente e aí voce tenta novamente fazer tudo como deve ser …e quando menos esperar..só sairá da rotina muito de vez em quando.Então terá mudado seu habito alimentar e provavelmente muitos outros hábitos saudáveis serão agregados.

Outro dia li num blog sobre as dificuldades de tomar atitudes pró-ativas.Para uns seria mais dificil do que para outros.Concordamos ela (a autora) e eu,que isso não justifica a inercia! Ela fala de forma bastante interessante a respeito do tema…linguagem fácil,clara e objetiva.

Vale a pena conferir! www.kikalourenço.wordpress.com

Ultima observação: esse livro,“Guia Prático para proteger a sua visão” da Harvard Medical School,pela Editora Campus,2002, apesar de referendado por uma escola médica de peso, não foi best-seller,não conheço nenhum oftalmologista que tenha comentado sobre ele e, se a midia, na época ,valorizou as informações importantes contidas ali (escrito para leigos!)…não chegou ao meu conhecimento! E provavelmente nem ao seu…

A Medicina pode (e deve) ser uma medicina voltada para a promoção de saúde e não apenas para o tratamento da doença. Sinto muito se sou repetitiva. Mas nunca é demais insistir…quem sabe o cenário muda mais rápido.Quem sabe voce,usuário do sistema de saude, muda seu perfil e adota uma postura mais ativa! Então nós medicos teremos, necessariamente, que mudar nossa postura também e nos tornarmos facilitadores de informação para prevenção das doenças,além de oferecer o tratamento para elas.

DMRI (degeneração macular relacionada à idade)

DMRI

Na retina existem naturalmente dois pigmentos que ajudam a mantê-la saudável: a zeaxantina e a luteina. A importancia deles reside no fato de atuarem como filtros da radiação ultra-violeta (UV),tão nociva à retina.

Após os 50 anos, a quantidade desses pigmentos vai diminuindo consideravelmente.Faz parte da senilidade: a degeneração dos órgãos de todo o organismo e a redução da capacidade de oxigenação dos tecidos em relação ao aporte de sangue e oxigenio das fases anteriores (adolescencia e fase adulta).Na retina,essa baixa oxigenação,alem da diminuição dos pigmentos protetores,favorece o aparecimento da degeneração macular relacionada à idade.Que é fruto então não somente da diminuição dos fatores protetores da macula (pigmentos e boa oxigenação) como da inflamação local fazendo com que progressivamente aumente o dano macular.Existem dois tipos de DMRI: a forma seca e a umida ou exsudativa.A primeira é mais benigna,de evolução bem mais lenta,na maioria das vezes.

Atualmente fala-se muito de inflamação.Em todas as especialidades médicas o grande vilão, sabe-se hoje,é o estado de inflamação cronica a que os tecidos estão submetidos.Uma das causas é o atual estilo de vida e os erros alimentares caracteristicos das ultimas decadas, favorecendo o aparecimento desse estado pró-inflamatorio do organismo.Que, em ultima analise, acelera o envelhecimento e aumenta a incidencia das doenças cronicas degenerativas.

Trocando em miudos: o organismo produz várias substancias necessárias ao seu perfeito funcionamento.Mas existe um equilibrio nessa produção.Quando em excesso,algumas substancias passam a funcionar de maneira indesejavel dentro do organismo.Se essas substancias passam a existir em quantidades bem maiores do que o usual, os nossos orgãos e sistemas,atraves de reações bioquimicas,modificam as rotas de aproveitamento da substancia e os produtos originados dessas reações levam à manutenção de um estado pró-inflamatorio.

Então,a inflamação não está associada apenas a sintomas como dor,vermelhidão e calor (como nos abscessos,lembra? ou no reumatismo…)

Por exemplo,esse estado pró-inflamatorio é causa primaria da arterioloesclerose,e responsavel como já foi dito, pela maioria das doenças degenerativas cronicas.A degeneração macular relacionada à idade (DMRI)é uma delas.

Sim,todas essas doenças degenerativas são multifatoriais.Esse estado pró-inflamatorio é apenas um deles…mas é um fator modificável por estrategias alimentares e de atividade fisica.

Vamos lá:

os vilões: aspartame,glutamato monossodico ( por acelerar os processos degenerativos), gorduras trans( tudo que nós aprendemos a gostar,não é mesmo?   Alem disso, o grande problema atual,  a sindrome metabolica, com seu aumento de resistencia à insulina,sendo um fator de alto risco porque piora muito o estado pró-inflamatorio do organismo. Alimentos de carga glicemica elevada como barras de cereais, refrigerantes ( pior ainda se forem “diet”, por causa do aspartame), banana e ervilhas devem ser evitados nessa situação.

No interior do olho existe uma substancia que é fundamental na manutenção da higidez (bom funcionamento) das estuturas oculares: o glutation.Essa substancia diminui com a idade e mais ainda na presença de substancias que caracterizam o estado pró-inflamatorio.Essa seria uma das causas das doenças degenerativas oculares (catarata,DMRI). Então a nutrição funcional nesse caso está formalmente indicada.

Alimentação funcional.

O que é isso? Bom,se está faltando glutation,vamos aumentar a ingesta de alimentos que são fontes de glutation como o abacate,aspargos,melão,melancia e alguns peixes como a cavala e o cação.Outro nutriente que pode ajudar é a salsa (ela estimula o organismo a produzir o glutation).Vamos tomar muito suco verde,com bastante salsa? A cebola (quercetina),o suco de uva (resveratrol),a couve,o espinafre,a gema de ovo e o milho (luteina) são outros exemplos de alimentos funcionais. A luteina mais especificamente para o olho,na DMRI.

Claro que essa estrategia alimentar deve estar presente bem antes do organismo apresentar sinais degenerativos.Principalmente em pessoas que tem familiares com DMRI com baixa visual importante ou naqueles em que o oftalmologista detectou, em idade precoce, sinais  que predispõem o  individuo  a  esse tipo de degeneração. A saúde se constroi ao longo do tempo!Não que toda essa orientação não seja útil a quem já tem o diagnóstico de DMRI. Porem só essa mudança de hábitos não é suficiente para o controle da doença,embora necessária!

Alem dessa abordagem nutricional,existe a suplementação mais agressiva,que o médico biomolecular pode ajudar a fazer e que está indicada em alguns casos. O consenso de suplementação, adotado pelos oftalmologistas,baseados no estudo AREDS ( que avaliou a doença e a influencia de algumas vitaminas e minerais na prevenção e no tratamento da maioria dos casos de DMRI seca):

vitamina C 500mg

vitamina E 400UI

zinco (oxido de) 80mg

cobre (oxido de) 2mg

betacaroteno 15mg

Segundo estudos isso representaria cerca de 5 vezes mais de vitamina C (se considerarmos a dieta como unica fonte),13 vezes mais do que a dose diaria recomendada (RDA) para vitamina E e 5 vezes (RDA) a de zinco.A luteina tambem é suplementada: ou agregada a  formulaçoes que contem as vitaminas e minerais acima ou isolada,mas utilizada simultaneamente.

Fumantes e ex-fumantes não devem ser suplementados com betacaroteno,uma vez que algumas pesquisas mostram relação da suplementação dessa substancia nesses pacientes com o aumento de incidencia de cancer de pulmão.

Costumo dizer aos pacientes que há 30 anos atrás a incidencia dessa doença (que era chamada de degeneração macular senil) era algo em torno de 10 vezes menos do que se vê hoje. Não porque hoje se faz o diagnostico com mais facilidade por causa da tecnologia de que dispomos.Do primeiro sintoma(que leva o paciente ao medico) ao desfecho desfavoravel,com baixa visual intensa,provavelmente a evolução era mais lenta, além é claro do fato de que eramos menos longevos.Hoje é dificil alguem não conhecer um amigo ou conhecido que tenha esse diagnostico.Mais ainda (o que é pior),dificil não ter ouvido falar dessa doença como a responsável pela perda progressiva da visão de pessoa de seu convivio.

Para os médicos biomoleculares,esse estado pró-inflamatorio que acelerou a degeneração organica da especie é basicamente fruto de escolhas infelizes quanto ao estilo de vida:alimentação ruim (troca do “slow food” pelo “fastfood”)o sedentarismo,o estresse,alem da poluição ambiental externa e interna (nosso organismo submetido a agentes toxicos de varias origens).

Vamos modificar as estatisticas futuras fazendo a nossa parte?

Oculos com proteção UV (solares),procurando preferir sempre as cores mais proximas do marron (650 nm) evitando tons azul-esverdeados que estariam mais proximos do espectro da radiação UV . Não usar somente quando se vai à praia,como alguns fazem.Dirigindo,andando na rua,num shopping aberto,no parque. Num pais tropical como o nosso,o tempo todo estamos em contato com a radiação UV. As lentes fotossensiveis são uma excelente opção!

Alem disso, mudar a alimentação, fazer mais exercicios fisicos,relaxar (existem varias maneiras, para todos os gostos). E se for paciente de risco ( mulher com mais de 45 anos,branca,fumante,olhos claros, portadora de doença cardiovascular (hipertensão arterial ou doença arterial coronariana p.ex. ) ou historia familiar de DMRI), fazer controle oftalmologico rigido!

E não se esqueça de procurar um nutricionista funcional.Ele vai ajudar voce a ajustar sua alimentação de acordo com as suas necessidades e seus desvios metabolicos (as sugestões acima valem mas não devem ser a única forma de voce se cuidar porque cada um de nós é unico,sob varios pontos de vista,inclusive o metabolico.Alem disso cada um tem suas disfunções organicas e manejar todas ao mesmo tempo é mais dificil do que voce pensa!

Quer um exemplo? Todos sabem que a beringela auxilia muito na redução do colesterol mas…se voce além da dislipidemia tiver doença reumática…fique longe dela! Alguns estudos apontam a relação entre a piora das crises reumaticas e o consumo de beringela.Claro que não estamos falando de consumo esporádico…

São muitas variáveis.O ideal é avaliar o individuo integralmente e propor estrategias voltadas para a prevenção, avaliadas com criterio, para contribuir na melhora do todo e não apenas de um órgão.

As imagens que ilustram esse post foram importadas do site  www.oftalmonews.com.br

 

 

Leia mais sobre DMRI no link

https://elizabethnavarrete.com/2012/04/22/a-suplementacao-na-dmri-no-tratamento-ou-tambem-como-prevencao-da-doenca/